Pesquisar este blog

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Linha Cruzada - 4 Capitulo (web novela)





Já a noite, Josi (Mulher de Paulo – PM)  assiste o noticiário e vê a reportagem sobre a morte do policial e do bandido e conversa com sua mãe..
__ Meu Deus do céu eu não agüento mais essa violência. Mamãe, eu não agüento mais dormir e acordar com medo de acontecer alguma coisa com o Paulo.
__Fica calma minha filha, não vai acontecer nada com ele. Deus vai protegê-lo e alem do mais ele é treinado pra isso.
__Quando o Paulo entrou pra polícia, eu não imaginava que as coisas chegariam no ponto que estão... Eu não durmo direito com medo dele morrer num tiroteio!
__ Calma minha filha... Fica tranquila...

Josi tem três filhos com Paulo e sempre o apoiou, mas fica muito preocupada com a violência. Evita de falar que o marido é policial, nunca pendura a farda dele em áreas externas... O que seria um orgulho não é...
Melissa está em casa quando Alessandro chega. Alessandro é noivo de Melissa e não vê a hora de se casar com ela.

__Oi amor...  – Alessandro beija Melissa.
__Oi...
__ Vamos sair? Que tal?
__ Não sei... Eu to com um pouco de dor de cabeça. Também to cansada...

Enquanto os dois conversam Andressa chega na casa de Melissa. Logo que vê Alessandro sua face muda, mas nada muito escandaloso.

__Tudo bem Alessandro?
__Tudo... E você?
__Tudo bem...
Andressa beija Melissa...
__E aí? Qual é boa?
__Eu to querendo sair, mas a Melissa ta fazendo corpo mole.
__Ah, que isso! Vamos dar um passeio... Vamos, vamos, vamos...
__Ta bom então! Vamos!

As moças se arrumam pra cair na noite. Já na discoteca Alessandro tenta beijar Melissa e ela parece não querer, mas acaba cedendo.





Alessandro puxa conversa enquanto Andressa vai ao banheiro.
__ Melissa, nós temos que começar a pensar na data do nosso casamento. Você não acha?
__ Não sei... Temos? Vamos ver!
__ Ta acontecendo alguma coisa que eu não estou sabendo?
__ Claro que não! Ta tudo bem...

O que Alessandro não sabe é que o coração de Melissa é de outra pessoa. Andressa volta do banheiro e muito disfarçadamente aproveita quando Melissa e Alessandro estão distraídos para olhar Alessandro. Isso lhe dá prazer e a faz sofrer também, pois Alessandro e noivo com a sua prima. Ela tem absoluta certeza que eles irão se casar mais cedo ou mais tarde. E é nesse clima que eles ficam na discoteca.




No morro Michel faz reunião com seu bando. Sempre que ele faz essas reuniões acontece algum assalto grande na cidade. Mas dessa vez ele está com um probleminha...

__ Qual e meu irmão, você vai dar um de comedia?

Michel é assim se aborrece quando alguém não cumpre o que ele quer... E Matos se recusa a fazer o que está planejando. Ele na verdade não quer fazer assaltos, mas Michel o força.

__ Claro que não! Eu não to aqui? – Responde Matos.
__ Já é então! Nós vamos sair daqui quando estiver amanhecendo. Eu não quero ver ninguém amarelar! Quem amarelar nem volta pro morro. Pra ser vagabundo tem que ter disposição. To certo ou to errado? Quem for, tem que ir com disposição pra matar ou morrer, ta tranqüilo?
__ Eu vou de piloto, eu não quero matar ninguém.  – Antecipa Matos. Ele não quer correr o risco de matar ninguém...
__ Tem hora que eu não te entendo, certo? Não da pra ser vagabundo sem matar ninguém! Se você não mata, pá pum, nego te mata. Qual foi meu irmão? Isso aqui é o crime! Ta pensando o que?

Michel  quer que Matos realmente se comporte como bandido.

__ Pô, eu dirijo bem. Minha parada e dinheiro, só isso.
__ Quem deu, deu direitinho, não tem o que dar errado. É só mercadoria boa. Já tem comprador na fita!
__ Mas como assim não e dinheiro?
__ Ôh! Meu irmão agente divide as mercadorias e cada um da o seu jeito.
__ Ta tranqüilo. – Matos responde desanimado.

Luisa acorda cedinho e vai fazer o café, como sempre faz. Mas nessa manhã ela sente algo diferente e deixa o copo cair no chão. Seu coração dispara, logo ela pensa em Michel e começa a chorar.

__ Luisa, o que está acontecendo com você? O que houve? – Pergunta Zeca, Pai de Michel.
__ Que isso mãe? A senhora está sentindo alguma coisa? Fala mãe! – Micaela fala com a mãe.
__Meu filho! Meu Deus! Meu filho! Não pode acontecer nada com meu filho!  Mike! Vai atrás do seu irmão, anda, anda!
__Calma mulher, lembra da ultima vez que você teve um pressentimento, não aconteceu nada.


Mike sai correndo para procurar o irmão, mas quando chega o carro já está descendo e ele não consegue alcançá-lo.




__ Michel! Michel! Michel! Droga! Ele já foi.

Mike volta pra casa...

__ Mãe, não deu tempo. Quando eu cheguei eles já tinham ido.
__Ôh! Mulher fica calma. Deus vai proteger nosso menino. Vai trabalhar, não vai acontecer nada.
__ Eu vou, mas não vou descansar em quanto não ver meu filho.

Melissa toma café com os pais e logo surge um assunto que Melissa não tem gostado de falar...

__ Bom dia mãe!
__ Bom dia, minha filha.
__ Bom dia pai!
__ Bom dia minha filha! Melissa, você não acha que já está chegando a hora de marcar a data do seu casamento? – Pai de Melissa pergunta
__ Será que nem café da manhã eu posso tomar sem me aborrecer?

Melissa numa atitude inesperada se levanta e sai aborrecida da mesa.

__Eu falei alguma coisa de mais? Me digam! Eu falei algo de mais?
__Deixa pra lá Otávio, depois eu converso com ela.
__Ela anda tão estranha ultimamente. Está acontecendo alguma coisa com a maninha.  – Pedro, irmão de Melissa fala com ar de suspense.
__Por favor, meu pai, não deixa nada virar a cabeça dessa garota. – Mãe de Melissa apela aos céus.

Carmelita parece estar pressentindo que algo ruim irá virar a cabeça de sua filha, mas até então, tudo não passa de suspeitas.

 Michel e seu bando partem pra cima de um caminhão de produtos eletrônicos. O assalto era inevitável. Logo eles começam a perseguir o caminhão e mandam parar:

__ Perdeu! Perdeu! Para o caminhão, anda porra! Para porra se não eu mando bala!



Michel é o mais frio de todos. Fica a frente de tudo... Nada parece fazê-lo temer. Matos fica nervoso e assustado. Ele até uns dias atrás era trabalhador e agora está ali, assaltando. Logo que o caminhão está dominado o motorista e amarrado e abandonado no mato. O bando segue pro morro tranquilamente, pois já estavam sabendo que aquele caminhão não tinha nenhum rastreador...
Paulo recebe pelo rádio o a informação que um caminhão havia sido assaltado.

__ Mais um... Mais um assalto. É hoje! Já vi que o dia vai ser quente!


Paulo segue com a viatura... Ao percorrer a cidade se depara com um caminhão com as mesmas características e manda parar... Logo ele vê que não se trata dos assaltantes , mas vê também que o documento está irregular... Ao tentar aplicar a multa o motorista tenta um acordo, um suborno...

__ Puxa não tem como aliviar? Nem com uma cervejinha.
__ Assim o senhor está me ofendendo! É melhor parar por aí. O senhor sabe que suborno é crime, né? Então é melhor parar por aí...



Já no morro Michel manda despachar o caminhão antes que tampe de polícia. Ele chega perto de Matos e manda ele pegar as mercadorias que são dele...

__ Oh! Irmão. A sua parte é essa. Ta maneiro.

Matos olha desanimado, pois ele não sabe o que fazer com aquilo. Depois que Michel sai, Matos resolve dar tudo para os moradores.

__ Ei! Tia! Pode escolher aqui! Vocês aí, também podem escolher.

Assim os moradores avançam e pegam tudo. No morro as pessoas são muito carentes e sente necessidade de tudo. Quando aparece uma oportunidade como essa, eles não perdem de jeito nenhum... Matos olha desanimado...

Os dias e as noites passam. Pessoas nascem, pessoas morrem, pessoas trabalham...
Nina e Micaela conversam sobre Michel...

 __ Amiga, você precisa parar de sofrer por causa do Michel. Primeiro que ele nem sabe que você existe. Segundo que a sua mãe te mata.
__ Eu vou ter que falar pra ele? Nossa! Tem tanto tempo que eu gosto dele... Parece que eu nasci pra ele... Mas eu vou ter que falar assim direto, na bucha?
__ Eu acho que vai.
__ Mas como? Eu tenho vergonha!
__ Deixa de ser boba! Para com isso...
__ Eu vou tomar coragem... E vai ser agora!

 Nina se levanta e vai se arrumar. Ela não pode chegar vestida de qualquer jeito... Ele vive rodeado de mulheres bonitas...

Ao tomar banho ela ensaia o que vai falar, seu coração dispara só de pensar. Mas ela não desiste... Sai de casa morro a fora a procura dele. Não precisou andar muito, pois logo avistou Michel. Como sempre ele rodeado de gente, armado até os dentes.



__ Michel!

 Ele olha e caminha em direção a Nina.

 __ Oi, princesa! Algum problema?

Nossa só de ouvir a voz dele o coração de Nina dispara, quase sai do peito. A voz parece que nem vai sair ... Parece que vai flutuar, mas ela não desiste.

__ Eu é que te pergunto? Algum problema comigo? Eu sou feia? Sou chata?
__ Eu não to te entendendo... Claro que você é linda, e não é chata. Mas precisa ser eu pra te responder isso. Você não tem nenhuma amiguinha ou amiguinho pra te falar isso?
__ Eu quero saber se você gosta de mim como mulher?
__ Há, há, há, há. Como o que? Você ta de brincadeira comigo! Você brincava de boneca com a minha irmã até ontem!
__ Brincava! Não brinco mais! Me responde...
Michel olha Nina de cima em baixo, fazendo a cara mais linda do mundo e fala baixinho.
__ Olho só, eu tenho mais o que fazer... Valeu!

Michel da as costas pra Nina e sai andando... Nina puxa de dentro da alma todas as suas forças e grita:

__ Vai ver você não é tão homem assim quanto fala! Vai ver nem gosta de mulher!
Ele para e seu rosto se transforma na mesma hora... Fica por alguns segundos parado, volta em direção a Nina e fala com um tom ameaçador. O tom da sua voz muda...

__ Eu devia te dar um tiro na cara! Mas eu vou fazer coisa melhor.
Ele agarra Nina e dá um beijo quilométrico em sua boca. Nina parece estar entre o céu e a terra, flutuando.



O prazer e o medo ficam lado a lado. Michel para de beijar Nina e fala com uma voz rouca e baixa em seu ouvido.

__ Você está brincando com fogo. Só por causa da sua pirraça, você agora é minha. Ai de você se olhar pra alguém. Entendeu? A partir de agora você é minha... Se eu sonhar que você está de fogo no rabo com algum moleque, tu ta fudida!

Nina balança a cabeça fazendo sinal de sim e Michel a larga e sai andando com a marra que só ele tem. Paralisada ela acompanha com o olhar os passos dele. No meio do caminho ele para e fala com ar de deboche:

__ Realmente você não é tão criança assim. Já dá pra abater.

Nina sai correndo e Michel sorri...



Nenhum comentário:

Postar um comentário